Uma infestação

Uma das músicas mais bonitas dos Beatles, Something, e também uma das mais românticas já escritas é tão cheia de dúvidas que, se a gente olhar direito, fala só desse momento em que o sentimento está vivo dentro de nós, desse segundo em que olhamos atentamente alguma coisa e por ela somos afetados. Mas, talvez, sejam essas dúvidas sobre como a gente vai se sentir após esse momento que faça com que a gente se identifique tanto com a música.

Quando eu tinha, sei lá, uns 8 anos, lembro de ter pensado que eu tinha certeza sobre as coisas que me faziam feliz. Não demorou muito – na verdade, acho que foi no mês seguinte – que eu vi tudo desmoronar e algumas dessas coisas se acabarem. Até hoje, eu tenho uma dificuldade enorme em me agarrar às coisas, às pessoas, porque nada nunca permanece.

Pensei até que eu já tivesse me acostumado com a sensação. Ontem eu vi que não. E me odiei por ainda pensar no mundo como algo que eu possa controlar. As coisas se desmancham por mais sólidas que pareçam. E o processo se dá quando não as estamos olhando atentamente – talvez por isso sejamos incapazes de perceber as nuances. Aquela porta cerrada que nunca abrimos e quando nos damos conta, já foi tomada pelos cupins ou qualquer outra praga.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s