Ato falho

Para Fábio Caldeira

Era filme de super-heróis e eu não sou exatamente uma entusiasta deles. Acontece que na logística dos relacionamentos, está pressuposta a inconveniência de vez ou outra, abrir mão do seu gosto para saciar a vontade daquele que nos tolera. É o mínimo, aliás. Não é propriamernte um fardo. Sobretudo em relações, digamos, mais “frescas”.

Mas o fato é: ele queria ver um filme de super-heróis, eu queria estar com ele. Por isso, abri mão daquela série de filmes, cujas salas de cinema estão sempre às moscas – deveria existir essa categoria -, e me dirigi a uma concorrida sessão de um desses blockbusters da moda. Era início de março, período em que o verão começa a demonstrar cansaço e resignação, assim como nós.

A sessão se iniciava a exatas 22h, tempo suficiente para que nos alimentássemos e nos dirigíssemos calmamente ao lugar determinado no bilhete. Não fosse um certo retraimento de minha parte, poderia dizer que tudo corria na mais perfeita ordem. Agora, avaliando com alguma tranquilidade, posso dizer que meu comportamento tacanho não tolera uma quantidade que ultrapasse dois adolescentes. Não era bem o caso daquela sessão. Tratava-se de um sábado. Não há muito mais a se fazer no mundo, quando se tem entre 13 e 16 anos em pleno sábado.

Veio o filme. Entre um embate e outro, um soco aqui, um pontapé acolá, notei que um casal se levantava. Pensei, primeiramente, em reclamar pelo fato de estarem atrapalhando a visão de todos. Porém, em seguida, percebi que o motivo da saída deles era o fato de estarem exatamente embaixo de uma goteira. Na verdade, chamar aquilo de goteira é até subestimar a capacidade dela de incomodar quem está abaixo. Praticamente chovia sobre a cabeça dos desavisados. 

Uma sensação de pânico me acometeu, quando fui surpreendida por outra goteira. E outra. E mais outra. E em poucos minutos nem parecia que estávamos no cinema, supostamente protegidos por uma estrutura de, sei lá, concreto (?) e gesso. Senti falta da faculdade básica de respirar. Mini-ataque de pânico? Mini-ataque de pânico.

Confesso que, a partir deste momento, algumas cenas ficaram confusas para mim. Mas é certo que o teto desabou. Bem, antes disso, tenho outras confissões a fazer; ideias que me vieram à mente um segundo antes do fato trágico que contei. Primeiro, pensei em correr, aquele óbvio instinto de sobrevivência que se aciona naturalmente em cada ser vivo. Segundo, um sentimento de vergonha, por falta de palavra melhor. Vergonha, no caso, por estar em uma sessão de filme de super herói; imaginei as manchetes no dia seguinte relatando o caso e meu nome envolvido.

Antes que você possa me julgar, sugiro que pense naquilo que detesta ou que diz detestar às pessoas. Algo que não faz parte da identidade que passou anos cunhando, definindo e adaptando. Pense que seu último suspiro vai ser envolto em tudo o que esse seu desgosto significa. E imagine isso estampado nas capas de jornais.

Afora esse rápido devaneio, meu corpo foi completamente soterrado pelos destroços. E então, aconteceu. Percebi um calor ir aumentando e uma iluminação ir se sobressaindo entre os escombros. Era ele. Ele, que estivera ao meu lado durante toda a noite. Ele, por quem me submeti a uma sessão de filme de super herói. Não posso esclarecer como isso se passou, mas ele brilhava como a luz do sol às malditas 12h e, em um breve mas intenso segundo, conseguiu afastar as pedras de cima de nós.

Nunca mais o vi. Também não o procurei. E por mais que lhe deva a minha vida, não posso suportar a ideia de que durante todo o nosso relacionamento – breve, mas real – eu havia me interessado pelo tipo mais inverossímil de todos: o super herói.

2 comentários sobre “Ato falho

Deixe uma resposta para Bruna Venancio Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s