Queria me desculpar

Não queria ser tão sincera, mas seu português é bem ruim. Você não diferencia o V do B e faz uma simples frase, como “você vai beber hoje?” se tornar incompreensível. Suas vogais são infantis. Em português tem mais que 5 vogais, não deveria ser tão difícil entender isso.


Queria me desculpar pela inconstância. Ao contrário de você, eu tive tempo suficiente pra repassar aqueles dias. Eu forcei a barra, depois desisti. Só que eu fiz isso umas 17 vezes num período de 8 dias. Ainda não sei te dizer porque não me despedi de você como devia. É meio bizarro processar que a pessoa vai e talvez nunca volte.

As coisas deviam ser menos inesperadas para que a gente pudesse se apegar a elas, enquanto pode.

(Escrevi errado, da primeira vez. Troquei “apegar” por “apagar”.)


Sempre achei que nossas vidas se resumem àquele centésimo de segundo que parece que só você viu, mas, na verdade, não viu: você identificou, guardou, etiquetou como “sem categorias”, botou na estante das coisas aleatórias. Quando você volta a elas, percebe que ali, naquele instante exato que o seu cérebro não deixou passar batido, estava tudo.

No caso, você me deixou para trás, mesmo depois de tudo o que eu pus na roda. Mesmo depois de eu admitir o que eu queria.

Poderia dizer que isso não se faz, mas, pensando bem, foi o que aconteceu mesmo. Então, até agradeço a honestidade.


Sentiria pena de mim se eu dissesse que o nosso melhor momento foi aquele em que você ficou falando de outra mulher? É que quando as pessoas falam de si mesmas com sinceridade, elas parecem, sei lá, reais.

Eu acho que até saber mais de você, não tinha sacado que você era real.


(Acho que parte da minha insanidade está no fato de que eu queria saber tudo, eu queria saber como é o seu pai e a sua mãe, se se parecem com você, se são mais ou menos da sua altura ou se sua predileção por mulheres baixas não tem esse fundo edipiano, que eu temia que tivesse, porque, convenhamos, que fixação constrangedora da sua parte.)


Posso afirmar que nós, todos nós, somos irremediavelmente carentes. E isso é triste, claro. Basta alguém demostrar interesse e voilà! Você me contou o momento que mais gostou daqueles dias e foi justamente quando eu falei que iria embora com você. De algum modo, você se sentiu correspondido por alguém que, mesmo sem te conhecer direito, sairia com você rumo a qualquer lugar que quisesse.

É patético, até.

Eu gostei que você veio atrás de mim. Eu não queria admitir, mas eu saí daquela festa, pensando seriamente em ir para casa. Achei que você não daria pela minha ausência. Mas deu. Achei que não viria atrás de mim. Mas veio. Percebe como são pequenas ações que fazem o mundo se movimentar de novo?

Ou é só a pieguice de ter alguém ali notando você na multidão. Alguém com coragem para dizer “vou contigo” ou “fica comigo”. A gente diz cada coisa no calor do momento.


“Entrego en la mano la manzana
Y me la pongo entera en la boca
Peregrina marginal
Terrorista del amor
Terrorista del amor
Terrorista del amor”


Mas aquele dia estava pesado. Coisa de astral mesmo, saca? Um rapaz morreu. Bateram minha carteira. Eu não estava ali com você, eu estava em outra parte e achei injusto comigo mesma não me satisfazer mediante todo o risco que corríamos. Por isso, fui embora.

(Além disso, estava frio. Muito frio.)


É que a vida às vezes é tão sacana.

“Como é que pode ser tão criativo
Auto-confiante, um cara cortês
Pedrinho parece comigo
Mas bem resolvido com sua nudez

E me presenteou num domingo de sol
É meu amigo querido e até dormiu comigo no mesmo lençol
Pedro, esta cantiga não fala de amor
Mas, querido, esse som acho que me entregou”


Queria me desculpar por não ter respondido a última mensagem. Acho que deu, né. A impressão foi a mesma daquele dia horrível: a de que a única pessoa prejudicada com esse tipo de contato seria eu mesma. Eu não quero mais me prejudicar. Desculpa, mas não posso mais fazer isso comigo. As coisas passam, e isso também vai passar. Tudo passa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s