– Juçara Marçal, “Toque certeiro, pra onde apontar” –


Me sinto uma anã tentando escalar sem muito sucesso os ombros de gigantes, ao tentar esboçar qualquer coisa sobre Metá Metá. Um trio que une a experiência afro-eletro-punk de Kiko Danucci, o sax abrasivo de Thiago França e a voz inquietante de Juçara Marçal numa combinação que não tem nada de adocicada. Metá Metá é um retorno às origens, ou melhor uma redescoberta delas, uma (re-)entrega às nossas origens africanas tão, ao mesmo tempo, brasileiras, pois sequer há fronteiras entre elas. Metá Metá é um hiato indissociável em nossa música, “uma beleza disforme, sem rosto/ sem nome, sem moderação”. Não é pra qualquer um, mas todo mundo se reconhece nesse som que nos carrega para lá adiante, num vem e vai que faz a gente se conhecer um pouco mais a partir do que veio antes de nós. E se conhecer é esse risco, esse ritual que é feio e às vezes dói.

Ouça Metá Metá: http://metametaoficial.com.br (os álbuns estão todos disponíveis para download).


Anúncios

Nikki Hill, Feline Roots

É sempre uma chateação, a coisa da comparação. Mas se isso convencer você a ouvir Nikki Hill, aí vai: já foi considerada a nova Aretha Franklin e foi comparada à Etta James. A melhor comparação, no entanto, veio da Minneapolis Star-Tribune: “If Tina Turner and Little Richard had a daughter and raised her with the help of uncles James Brown and Chuck Berry, she’d be like Nikki Hill.”. Apesar de entender as comparações, para mim, Nikki está mais para ACDC (que é uma de suas bandas favoritas).

Nikki tem três álbuns gravados: “Here’s Nikki Hill” (2013), “Heavy Hearts Hard Fists” (2015) e “Feline Roots” (2016). Conheci a cantora num SESC Jazz’n’Blues da vida e sempre quis ouvir mais do trabalho autoral dela. Um rock sulista, com tempero de blues, soul, reggae e funk. Funciona assim: a gente fica com a impressão de que vai ver um show de blues e se depara com um show de rock. Nikki apresenta o mesmo “problema” que Betty Davis: sua música não tem lugar em classificação nenhuma. E por isso vale a pena ouvir.

No palco, ao menos no dia em que a assisti, há duas protagonistas: sua voz potente e brilhante e o peso da guitarra. Algumas vezes, achei que ela nem estava se importando muito com a nossa presença ali, conversando com a banda, vibrando com os solos dos demais instrumentistas. Em sua música estão claras as raízes do gospel e a rebeldia de quem um dia teve de ser independente e adquirir autonomia sobre a própria vida. Mas como a autonomia é coisa que nem existe, estão lá, em cada letra, em cada nota, os traços de uma fusão perfeita de estilos que compõem Nikki como artista.

Ouça Nikki Hill no Spotify: https://open.spotify.com/artist/28Vn4HKpcOqzagc7tiAxNz

P.S.: Esse post faz parte da série #OuçaMulheres que criei para minha fanpage.

Tulipa Ruiz, o acerto e o desconcerto


Desde o primeiro álbum, Tulipa chegou chegando, mas também pudera. Ela vem de família de músicos e estudou canto lírico por 5 anos na adolescência. Na faculdade, cantou na noite acompanhando grupos musicais diversos. Ou seja, ela já começou cheia de bagagem.

Tulipa canta, compõe e desenha. Além de “Efêmera”, o primeiro disco, com o qual fez turnê pela Europa, América do Sul e EUA, gravou “Tudo Tanto”, “Dancê”, “Cortes Curtos” e “Tu” (meu favorito). As letras exploram o urbano e o natural e, para mim, eles se encaixam perfeitamente nas composições e, sobretudo, na voz dela, que é clara e tem uns vibratos docíssimos (mas não enjoativos). 

As músicas me sugerem o paradoxo do acerto harmônico combinado a um desconcerto presente nas letras. Uma voz afinadíssima, precisa, com todos os arranjos certeiros, agradáveis ao ouvido, combinados à dureza que é crescer e ter que construir uma vida em um mundo que já tem modelos prontos nos quais temos de nos encaixar. 

Em “Dois cafés”, por exemplo, música que está no disco “Tudo tanto” e em “Tu” (que é, para mim, a melhor versão), lidamos com a leveza de uma conversa em que, contraditoriamente, se expõe as dificuldades da vida adulta: “Tem que correr, correr/ Tem que se adaptar/ Tem tanta conta e não tem grana pra pagar/ Tem tanta gente sem saber como é que vai/ Priorizar/ Se comportar/ Ter que manter a vida mesmo sem ter um lugar”.

Tulipa também canta os relacionamentos humanos, cheios de tensões e de disputas de poder que se dissolvem em face do amor – mas continuam presentes. A famosa “Só sei dançar com você” usa a imagem da dança, na qual um conduz e o outro precisa se deixar conduzir. Durante as estrofes lidamos com a tensão de quem será conduzida na dança, tensão esta que se resolve (parcialmente, pois deixa um sinal de dependência no ar) no refrão “só sei dançar com você/ isso é o que o amor faz”.

Ouça Tulipa Ruiz no Spotify.

(Esse texto faz parte da série #OuçaMulheres que comecei na minha página do Facebook.)

Referência:

Enciclopédia Itaú Cultural